• Fenalaw Digital is part of the Informa Markets Division of Informa PLC

    This site is operated by a business or businesses owned by Informa PLC and all copyright resides with them. Informa PLC's registered office is 5 Howick Place, London SW1P 1WG. Registered in England and Wales. Number 8860726.

Especialistas

Pilares de um programa efetivo de compliance anticorrupção

Um programa efetivo de compliance (ou integridade) anticorrupção consiste, nos termos do artigo 41 do Decreto nº. 8.420/2015:

“(…) no âmbito de uma pessoa jurídica, no conjunto de mecanismos e procedimentos internos de integridade, auditoria e incentivo à denúncia de irregularidades e na aplicação efetiva de códigos de ética e de conduta, políticas e diretrizes com objetivo de detectar e sanar desvios, fraudes, irregularidades e atos ilícitos praticados contra a administração pública, nacional ou estrangeira.”

Dessa forma, com base na publicação da Controladoria-Geral da União – CGU (Ministério da Transparência) intitulada “Programa de Integridade – Diretrizes para Empresas Privadas”, podemos estabelecer que um programa efetivo de compliance anticorrupção é composto por cinco pilares necessários ao seu pleno desenvolvimento e implementação.

O primeiro, e talvez o mais importante, dos pilares refere-se ao comprometimento e apoio da alta administração da empresa. Podemos dizer que talvez seja o mais importante pois sem ele não haverá efetividade em um programa de compliance.

Nos últimos tempos, vimos diversos casos de empresas envolvidas em casos de corrupção e que possuíam áreas responsáveis pelos assuntos relacionados à compliance. Algumas com grandes equipe e com até diretorias e gerências responsáveis por essas áreas. Contudo, acionistas, membros do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva estavam diretamente envolvidos nos mencionados casos de desvios e de malfeitos, não havendo, portanto, qualquer comprometimento ou apoio dessas pessoas com relação à implementação e observância do programa de compliance.

Um segundo pilar refere-se ao estabelecimento de uma área ou pessoa, a depender do porte e das atividades desenvolvidas pela empresa, responsável pelo programa de compliance. O responsável deve possuir a senioridade necessária ao cargo e orçamento condizente com as atividades que desempenhará. Um ponto primordial é que o responsável pelo departamento tenha acesso direto aos membros da alta administração da empresa – conselheiros e diretores.

O terceiro pilar tem como escopo a análise de riscos da empresa ou risk assessment. A empresa deve conhecer profundamente a sua área de atuação, seus parceiros, o nível de interação com o poder público, por meio, por exemplo, de licitações, e sua estrutura organizacional. Processos de due diligence de parceiros de negócios são fundamentais para que a empresa conheça os seus fornecedores e prestadores de serviços e não venha a ser envolver em atos de corrupção.

O quarto pilar é relacionado à estruturação e implementação de políticas e procedimentos internos. Não só a criação e implementação de código de ética, procedimentos, etc, mas a sua divulgação e o treinamento de empregados e prestadores de serviços. A implementação de canais de denúncia que permitam que denúncias sejam realizadas de forma anônima, sem retaliação e que existem formas de investigação das denúncias recebidas.

Por fim, mas não menos importante, é a implementação de mecanismos de monitoramento contínuo, uma vez que o programa de compliance é como um organismo vivo em constante mutação. Dessa maneira, o monitoramento contínuo deve visar sempre o aperfeiçoamento do programa de compliance na prevenção, detecção e combate à ocorrência dos atos de corrupção.

* Felipe de Almeida Mello é advogado e sócio de Bidóia Mello – Advogados. Mestre em Direito Político e Econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Especialista em Direito Empresarial. Membro do Grupo de Estudos de Direito Empresarial e Regulatório da FIESP/CIESP e Presidente da Comissão de Direito Empresarial da 36ª Subseção da OAB – São José dos Campos. Professor da Escola Superior da Advocacia (ESA/OAB) e da FAAP. CCEP-I – Certified Compliance and Ethics Professional – International (EUA).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *