Gestão

5 tendências para a advocacia do futuro

A 4ª Revolução Industrial, baseada na tecnologia, trouxe consigo algumas tendências para a advocacia do futuro. Como decorrência da invasão tecnológica no Direito, os profissionais devem procurar formas de se integrar a ela, tendo em mente a oferta de um serviço mais qualificado ao cliente. Mas quais são exatamente essas tendências? O que podemos esperar da advocacia nos próximos anos?

Investimento em recursos digitais avançados

Software de gestão jurídica é pouco perto dos recursos digitais avançados que já são realidade no Direito. Essas tendências para a advocacia do futuro envolvem muito mais do que uma gestão otimizada: elas aprimoram a própria prática jurídica, auxiliando diretamente os advogados e os órgãos públicos.

Blockchain, inteligência artificial, machine learning, internet das coisas, legal analytics, ODR (Online Dispute Resolution) e jurimetria são alguns bons exemplos de tecnologias disruptivas que ganharão ainda mais força na advocacia.

Delegar atividades burocráticas, como a pesquisa jurisprudencial e legal, a alguns robôs deixa os profissionais à vontade para trabalharem em questões em que são indispensáveis. Fazer uma petição automaticamente também é uma possibilidade. Em outras palavras, é a otimização de toda a atividade do escritório de advocacia ou do departamento jurídico.

Relacionamento interpessoal aprimorado

Se a transformação digital virtualizou boa parte dos relacionamentos, uma das tendências para a advocacia do futuro é, exatamente, incentivar os profissionais a desenvolverem seu relacionamento interpessoal. Há algo comum que a tecnologia poderá fazer por todos os escritórios e departamentos, o que deixa aos advogados o diferencial humano, não-automático.

Isso envolve um novo modelo de trabalho e o aprimoramento de competências comportamentais. Ter um perfil empreendedor, colaborativo, dinâmico e inovador, além de uma boa visão de negócios, passa a ser necessário para um advogado do futuro.

Personalização do serviço

No mesmo sentido do relacionamento interpessoal aprimorado, a personalização do serviço aparece como uma das tendências para a advocacia do futuro. Já pensou adotar a prática de Legal Design, que busca a melhor solução para o cliente? Por meio dela, o cliente pode, a partir de um dispositivo (um aplicativo, por exemplo), interagir com seu advogado e ver o andamento processual de forma interativa e personalizável.

O futuro da advocacia, diante de tantas soluções tecnológicas, demanda esse contato próximo, o olhar humanizado.

Novas oportunidades de mercado

Inovações e habilidades exigidas são acompanhadas por novas oportunidades desse mercado em evolução. Erik Fontenele Nybø, Head of Inspiration da Escola de Negócios, Inovação e Comportamento (EDEVO) destaca o surgimento de possibilidades jamais imaginadas aos bacharéis em Direito.

Para ele, “a partir desse momento, surgem profissões como engenharia jurídica, legal ops, taxologist, advogados(as) como donos de produto (product owners) em legaltechs, legal growth hacking, head de inovação e gestão do conhecimento em escritórios que possuem grande volume de dados de clientes para análise, dentre outras carreiras que ainda vão surgir para essa classe de profissionais”.

Em análise recente, a Ordem dos Advogados do Brasil da seccional de São Paulo apontou os setores mais promissores. Dentre as tendências para a advocacia do futuro, estão o Direito Digital (com destaque para a privacidade dos dados), o Direito Energético (questões comerciais e tributárias envolvendo gás, energia e petróleo), a arbitragem, as especializações em infraestrutura (investimentos públicos e privados, licitações e questões de desigualdade social) e Direito Ambiental.

Coexistência com máquinas na advocacia do futuro

Enquanto muitos temem pela perda dos seus postos de trabalho, uma das tendências para a advocacia do futuro é exatamente o contrário. O advogado não deve se amedrontar com a inserção do uso da tecnologia em sua profissão.

Ao contrário, Nybø afirma que “os(as) advogados(as) terão que coexistir e saber se beneficiar das máquinas e todas as melhorias que elas proporcionam ao serviço jurídico. Com o uso inteligente desses recursos, os(as) advogados(as) poderão desenvolver seu trabalho com maior acuracidade, oferecer serviços melhores ou que ainda não existiam e automatizar tarefas repetitivas para focar nas tarefas intelectuais e no relacionamento interpessoal”.

As tendências para a advocacia do futuro são permeadas pelo advento da transformação digital no Direito. Você está pronto e capacitado para o que está por vir?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *