Fenalaw faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

inclusão.jpg

Inclusão é tema de destaque durante a Fenalaw

O Seminário de Relações Trabalhistas, realizado durante a Fenalaw, teve como tema de encerramento a inclusão, falando sobre a presença da mulher negra no mundo corporativo e as oportunidades de trabalho para os deficientes visuais.

Para Monica Marcondes, gerente jurídico da CSN, há um trabalho árduo a ser feito pelas organizações. “As empresas precisam ter consciência não apenas da diversidade, mas também da inclusão e da equidade”, diz. Ela comenta que muitos jovens negros não se candidatam a determinadas vagas pela constante experiência de perderem oportunidades de trabalho para pessoas brancas. Por isso, o cuidado ao divulgar uma vaga e realizar a seleção devem existir.

Ela ressalta ainda que o desafio não está em apenas incluir as mulheres negras no mercado de trabalho. “É preciso consciência para trazer para o nosso hall os negros, pardos, índios, para que a representatividade seja equilibrada”, conclui.

Outro ponto abordado foi como as empresas lidam os empregados pela Lei de Cotas. Marcelo Panico, consultor jurídico da Fundação Dorina Nowill, conta que muitas pessoas com deficiência são “esquecidas” nas empresas. “Não há um feedback honesto, promoção, plano de carreira, PLR, entre outros – como há para qualquer outra pessoa”, comenta.

Ambos os palestrantes concordam que uma mudança de atitude simples que pode ajudar nessa transformação é a empatia. Panico conta que seu cão-guia faz com que muitos se aproximem “Antes do cão-guia, poucos vinham até a minha mesa; com o Rudy, muitos conseguem ultrapassar a barreira da deficiência para conversar conosco, seja no trabalho ou até mesmo fora”.

O tema é amplo e ainda há muitos desafios a serem vencidos. “Em um país que a maioria é mulher negra não há representatividade em cargos de liderança. Poucos estão em profissões que não são para servir”, relata Monica.

Para Marcelo, além da empatia há o desconhecimento das leis. “A lei do cão-guia é outro exemplo; ainda enfrento dificuldades para frequentar certos locais ou até mesmo tomar um taxi”.

O Seminário encerrou com um debate, concluindo que há um grande desafio das empresas sobre temas de inclusão e empatia, seja com mulheres, negros, pessoas com deficiência, entre outros.

Foram diversos destaques durante a Fenalaw 2019 – todos eles podem ser conferidos aqui no canal de conteúdo.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar