Fenalaw faz parte da divisão divisionName da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Líder jurídico - habilidades indispensáveis

3 habilidades indispensáveis para um líder jurídico

Descubra quais são as habilidades indispensáveis para um líder jurídico e como desenvolvê-las.

Um líder jurídico é aquela pessoa destacável dentro de um escritório de advocacia ou departamento jurídico. Ele possui habilidades que o colocam em uma posição de conexão entre sócios e profissionais. Por isso, ele é fundamental para o sucesso do negócio.

Capacidade de influenciar positivamente e inspirar sua equipe, ser um exemplo para os liderados, conseguir com que todos trabalhem em prol de um objetivo comum: confira, a seguir, 3 habilidades indispensáveis para um líder jurídico e aprenda a desenvolvê-las!

1. Inspiração e desenvolvimento de pessoas

Em qualquer empresa, quando o foco está nas pessoas, as chances de sucesso são maiores. No escritório de advocacia ou no departamento jurídico, inspirar e desenvolver pessoas é uma tarefa para o líder.

Uma das questões mais sensíveis em qualquer negócio no tocante à inspiração e ao desenvolvimento de pessoas diz respeito à motivação. Como fazer isso? Um líder jurídico é capaz de reconhecer o bom trabalho (e saber a melhor forma para tanto), investir na capacitação e na formação, incentivar a autonomia dos liderados e orientá-los dentro de suas capacidades. Quando isso ocorre, a motivação é consequência natural.

Isso é importante porque pessoas motivadas trabalham melhor e são mais produtivas. Para que isso seja uma constante, é comum observar nos grandes líderes jurídicos a adoção de feedbacks constantes. Essas avaliações não se direcionam somente aos liderados, mas também a si mesmo. Trata-se de uma prática que incentiva o diálogo, fundamental para desenvolver competências e gerar sugestões para otimizar o trabalho.

A propósito, você já ouviu falar sobre “Feedback Wrap”? Essa técnica se baseia em estabelecer o contexto, fazer uma lista de observações, expressar os sentimentos, explicar o valor e oferecer sugestões. Ou seja, é uma ótima forma de criar um ambiente de aprendizado contínuo.

2. Inteligência emocional

Um líder jurídico sem inteligência emocional não é um líder. Essa inteligência é a capacidade de reconhecer, analisar e saber lidar com os próprios sentimentos e com os dos outros. No escritório ou no departamento, o líder jurídico com inteligência emocional se destaca na condução de transações comerciais, de processos judiciais e de métodos alternativos de resolução de conflitos. Isso porque, além de boa técnica e conhecimento jurídico, ele possui elementos para viabilizar negócios e otimizar resultados pretendidos.

Lidar e dominar as próprias emoções não é uma tarefa fácil. Imagine lidar com as emoções alheias, especialmente do cliente? Apesar da dificuldade, o líder jurídico possui técnicas e habilidades suficientes para isso. Um sorriso na hora certa pode ser fundamental para quebrar o gelo em uma mediação, por exemplo. A consequência é ter um bom relacionamento interpessoal, que decorre da compreensão do “estado de espírito” do outro.

Lembra da importância do feedback? A inteligência emocional ao adotá-lo é fundamental para que o líder jurídico aceite as críticas direcionadas a ele e comunique suas impressões a seus liderados.

3.Conhecimento técnico de gestão

A terceira habilidade indispensável para um líder jurídico é ter conhecimento técnico de gestão. Isto envolve finanças, pessoas, clientes e administração. Para Juliana Pacheco, consultora em Gestão Legal, é fundamental que ele consiga transitar bem entre os departamentos do escritório.

De acordo com ela, “para que seja natural a sua passagem por todos os setores, o gestor necessita ter conhecimento satisfatório das áreas e comunicar-se bem. Portanto, entendimento do universo jurídico, mesmo quando o Gestor não é advogado, além de compreensão sobre tecnologia e financeiro/contábil, são indispensáveis”.

Obviamente, é impossível que o líder jurídico seja um expert em todos os assuntos. Afinal, existem equipes especializadas, dotadas de autonomia e motivação, que devem contribuir. Para Juliana, “conhecer do que cada área se ocupa, compreender suas dificuldades e fluxos de trabalho, contribuir com a busca de soluções e comemorar suas conquistas são fatores que um bom Gestor não pode se furtar”.

Por isso, é fundamental que o líder jurídico gestor procure se capacitar para se manter sempre atualizado sobre os temas afetos ao seu negócio - e, claro, que saiba se comunicar com as equipes, dando o exemplo de um bom líder que preza pelo diálogo.

Um líder jurídico pode ser a influência positiva necessária para que um escritório de advocacia ou departamento alcance o sucesso. Isso se dará por meio de uma boa gestão de pessoal, permeada por conhecimento técnico.

E você, se considera um bom líder jurídico? Escreva pelos comentários e até a próxima.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar