Fenalaw faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

desafios-politicos-economicos-brasil

Desafios políticos e econômicos no Brasil

Os desafios políticos e econômicos no Brasil nos próximos anos serão enormes. Reforma da Previdência, reflexos da reforma trabalhista e combate à corrupção são apenas alguns episódios que estamos presenciando. Fato é que tudo isso, além de impactar internamente na sociedade, atinge a imagem do país no exterior.

Veja alguns dos desafios políticos e econômicos no Brasil para os próximos anos.

Reforma da Previdência

A Reforma da Previdência está entre os maiores desafios políticos e econômicos no Brasil. Apresentada ao Congresso pessoalmente pelo presidente Jair Bolsonaro, ela traz questões que dão margem para muitas críticas, positivas e negativas. Junto com as polêmicas, aparece a oposição política, que mostrou uma postura rígida diante da proposta apresentada.

Isso significa que o presidente e seus aliados precisarão fazer concessões. Mudanças no textos, regras mais favoráveis a determinados grupos de trabalhadores, inclusão de militares. Todos esses pontos são pautas da oposição.

Certo é que os gastos com Previdência Social e da Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS) representam boa parte das despesas primárias (gastos públicos no orçamento), e algo deve ser feito para tentar equilibrar as contas públicas.

Reforma tributária

No mesmo sentido da Reforma da Previdência, a Reforma Tributária aparece como um dos desafios políticos e econômicos no Brasil dos últimos anos. Diferentes governos tiveram o tema em sua pauta, mas resistências regionais, partidárias e de setores produtivos, com representatividade no Congresso Nacional, impedem que a reforma avance.

O Brasil possui um dos sistemas tributários mais complexos do mundo. Só de legislação de ICMS, são 27 diferentes. Conforme relatório "Doing Business" do Banco Mundial, de 2018, o Brasil aparece em último lugar onde as empresas gastam mais tempo para calcular e pagar impostos. São 1.958 horas por ano em média.

Toda essa complexidade atinge a sociedade como um todo. A tributação elevada sobre bens e serviços faz com que os pobres paguem, proporcionalmente, mais tributos do que os ricos. Apesar de a carga tributária sobre renda, lucro e ganhos de capital ser muito baixa, comparada com países da OCDE, a complexidade afasta investidores e novos empreendimentos. Ou seja, apesar de ser um tema relevante e urgente, a reforma tributária ainda é um dos grandes desafios políticos e econômicos no Brasil.

Outros desafios políticos e econômicos no Brasil

Os governos e parlamentares, de todas as unidades federativas, ainda terão que enfrentar problemas que já se arrastam por anos. Alguns desafios políticos e econômicos no Brasil estarão presentes nos próximos anos, como:

  • Juros bancários elevados, considerando que a economia ainda demonstra muita instabilidade com a recente crise política;
  • Baixa qualidade dos serviços públicos e alto gasto com servidore públicos federais, que é a segunda maior despesa do governo;
  • Infraestrutura defasada, o que faz com que os governos fiquem reféns em situações como a greve dos caminhoneiros, além de impactar o preço das mercadorias e serviços brasileiros ("custo Brasil"), o que encarece os produtos para a população e para o mercado externo;
  • Qualidade do sistema educacional e capacitação profissional ainda são baixas, o que é agravado com o congelamento do teto de gastos para saúde e educação.

A advocacia pós-eleição

Considerando todos esses desafios políticos e econômicos no Brasil para os próximos anos, os advogados deverão ficar atentos. A advocacia é uma das áreas que mais sofre impacto com o novo cenário político.

A reforma trabalhista, por exemplo, trouxe muitas novidades e gerou apreensão entre os advogados, ao mesmo tempo em que gerou novas oportunidades. O mesmo aconteceu na área de compliance, diante das investigações políticas e fiscais que ocorreram nos últimos anos.

Para Thaiza Vitoria, advogada, coach jurídica e sócia do Instituto de Aperfeiçoamento em Gestão Legal, “em todo esse processo de transição encontramos pontos favoráveis e desconfortáveis”. Para ela, apesar de apontarem para um mercado da advocacia hipersaturado, o crescimento faz surgir novos nichos de atuação.

A advogada pontua que “muitas destas oportunidades de novos nichos não são devidamente aproveitadas por vários motivos, mas os principais são falta de visão sobre o contexto político, social e econômico do país, timidez no posicionamento e falta de domínio nas áreas de negócios, de gestão, de marketing”.

Diante dos desafios políticos e econômicos no Brasil, os advogados devem se reposicionar na profissão conforme sua atuação. É fundamental que se crie uma visão sistêmica que considera a política, a economia, a cultura, a sociedade e a gestão legal elementos de oportunidades. Como você tem se colocado no mercado?

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar