Fenalaw faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

mercado-fusao-aquisicao

Mercado de fusão e aquisição: o papel do advogado

Nos últimos anos, os advogados de Direito Empresarial foram muito demandados pelo mercado de fusão e aquisição. Essas operações envolvem os direitos e as obrigações de sociedades inteiras, fazendo surgir questões complexas que devem ser geridas por advogados capacitados no tema.

Veja, a seguir, como este mercado se comporta na atualidade e quais as características e especializações que um bom profissional deve ter para atender o segmento.

Mercado de fusão e aquisição

O mercado de fusão e aquisição esteve em alta nos últimos anos no Brasil. Ainda que o país tenha demonstrado instabilidade política e lenta recuperação econômica em 2018, ele foi alvo de investidores estrangeiros e nacionais. A recessão e os impactos da Operação Lava Jato aqueceram esse mercado entre 2016 e 2017, já que as organizações se desfizeram de ativos para equilibrar o fluxo de caixa.

No ano passado, os motivos que mantiveram o mercado de fusão e aquisição em alta foram as taxas de juros vantajosas para os compradores e a perspectiva de crescimento do PIB, além da previsão de inflação dentro da meta e reformas estruturais. No primeiro semestre de 2018, houve uma alta de 18% em relação ao mesmo período de 2017.

Dr. Luiz Henrique Vieira, sócio do Bichara Advogados, aponta que, apesar da crise político-financeira, que traz insegurança para o investidor estrangeiro, “o Brasil tem sido um país “barato” para aquisição de ativos, especialmente em razão da desvalorização do Real frente ao Dólar, da crise político-financeira e dos impactos da operação Lava-Jato e seus desdobramentos nas empresas brasileiras”.

Expectativas para 2019

Em 2019, o mercado de fusão e aquisição seguirá as tendências dos últimos anos. De acordo com dados coletados pela consultoria PwC, as operações devem crescer entre 15% e 20%, crescimento liderado pelo segmento de tecnologia da informação. O fim do processo eleitoral servirá para alavancar essas transações, uma vez que o novo governo possui um modelo econômico mais liberal que pode atrair investidores estrangeiros.

E um bom exemplo é a esperada união entre a Embraer e a Boeing. A operação ainda não se concretizou oficialmente, apesar de anunciada em 5 de julho de 2018, já que depende da aprovação do governo brasileiro.

A área de tecnologia da informação também deve ser uma boa fatia do mercado de fusão e aquisição devido à febre pelas startups, que correspondem a 21% do total das operações e devem continuar assim. Mas cabe destacar que as transações com valores mais significativos são dos segmentos de energia.

O advogado de fusão e aquisição

As operações do mercado de fusão e aquisição precisam ser intermediadas por advogados especializados em direito societário ou empresarial. O segmento é bastante específico e possui normas próprias, além de envolver organizações estrangeiras. Não basta, assim, o domínio da lei, mas também de outros idiomas.

E como é a atuação do advogado do mercado de fusão e aquisição? Ele não se limita à elaboração de documentos, mas participa de todas as etapas do processo. Acordos preliminares (opções de compra, acordo de confidencialidade e memorando de entendimentos), apontamento das cláusulas essenciais (tipos de investimento, participação societária, hipóteses de conflitos de interesses e outros) e outras práticas são atribuições desse profissional.

Existem, porém, duas questões de suma importância em que a atuação do advogado é imprescindível: Due Diligence e Valuation.

Due Diligence

Due Diligence, ou diligência investigativa, é a investigação prévia que aponta as informações essenciais sobre os negócios envolvidos aos potenciais compradores. Possíveis conflitos de interesse, conformidade financeira, reputacional e operacional das empresas, relacionamento com entes públicos são alguns pontos investigados. Em suma, tudo que pode oferecer risco reputacional às companhias é abordado.

“O advogado quem conduz a Due Diligence jurídica, por meio da qual todos os aspectos legais (societário, regulatório, propriedade intelectual, ambiental, trabalhista, tributário, contencioso, contratual, governança corporativa, compliance, criminal) são analisados, com base na documentação relacionada ao ativo objeto da transação”, comenta o advogado.

A ausência de compliance, diante da Lei Anticorrupção em voga no Brasil, é uma das questões mais problemáticas analisadas na Due Diligence. Essa é, inclusive, uma das maiores preocupações dos investidores estrangeiros.

Valuation

Outra questão do mercado de fusão e aquisição que deve ser considerada com o auxílio de um advogado especialista é o valuation. Esse processo estima o valor de uma empresa a partir de um modelo quantitativo. A análise financeira aprofundada considera metodologias e estuda as variáveis envolvidas na operação, aprimorando a tomada de decisões.

A transação faz sentido do ponto de vista estratégico para a organização? Para responder à questão, o advogado, juntamente com os representantes, avalia o posicionamento de negócio, seus objetivos estratégicos e os direcionadores de valor. Uma grande companhia aérea, por exemplo, possui uma valoração diferente de uma companhia da área alimentícia.

O mercado de fusão e aquisição permanecerá aquecido, e as companhias que se interessam por esse tipo de operação deverão tomar decisões fundamentadas, o que ocorre com o auxílio de advogados capacitados no segmento.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar