Fenalaw faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

“Advocacia não pode se transformar em um produto de prateleira”, Ary Raghiant Neto.jpg

“Advocacia não pode se transformar em um produto de prateleira”, Ary Raghiant Neto

A atualização do Provimento 94/2000 da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que regula a publicidade, propaganda e a informação da advocacia, é uma das principais prioridades da entidade.

A atualização do Provimento 94/2000 da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que regula a publicidade, propaganda e a informação da advocacia, é uma das principais prioridades da entidade. A afirmação é de Ary Raghiant Neto, secretário-Geral Adjunto e Corregedor Geral da OAB Nacional, que participou do painel “MKT - Os Novos Rumos para a Publicidade na Advocacia”, coordenado por Juliana Pacheco, sócia-fundadora e consultora JP Gestão Legal, e que integra a programação da Fenalaw 4.0 Xperience.

“O provimento está desatualizado, principalmente por não abranger as mudanças promovidas pela transformação tecnológica. O texto precisa, também, levar em consideração as peculiaridades de cada região do país. O que interessa para advocacia dos grandes centros é diferente da advocacia no interior do país. Enquanto os jovens das capitais estão preocupados em utilizar as mídias sociais, no interior ainda a mídia tradicional como rádio e jornal é presente”, explica Neto, que coordenou um grupo de estudos para renovar a publicidade na advocacia. 

Ele reforça que o novo provimento deve abordar a utilização das ferramentas digitais, de forma que se possa alcançar um número maior de pessoas, mas alerta: os princípios do código de ética, que estabelecem limites para a publicidade, não podem ser afetados. “Temos que pensar em modelos dirigidos para segmentos. Não podemos transformar a advocacia em um produto de prateleira de supermercado”, aponta. 

Startups

Questionado sobre a posição da OAB em relação às startups que tem ganho espaço no mercado de direito, Neto afirma que é necessário acabar com o mito da “perseguição” às novas empresas, pois a Ordem é contra quem não é advogado e oferece serviços jurídicos. O que difere no uso caso o advogado busque a solução a fim de obter um melhor resultado para o seu cliente.

Ainda sobre as startups, uma das dúvidas que tem ocupado o mercado de direito diz respeito as empresas que buscam conectar o público em geral com advogados, mas sem receber percentual dos honorários, mas pelo cadastro do profissional ou escritório, sendo aberta para inscrição, ao que o secretário-Geral Adjunto e Corregedor Geral expõe preocupação e a necessidade de separar a teoria da prática; “se a empresa faz a aproximação permitindo que advogados sem outra oportunidade (de encontrar clientes) sobrevivam dessa intermediação, especialmente o jovem, tudo bem”.

Neto, no entanto comenta sobre os questionamentos acerca da OAB criar a sua própria plataforma o que facilitaria ao público encontrar eticamente profissionais regulamentados, mas diversos profissionais acreditam que viabilizar negócios não é ao papel da instituição.

Para participar -- As inscrições online e gratuitas para a  Fenalaw 4.0 Xperience estão abertas diretamente na plataforma: fenalawxperience.com.br

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro de Fenalaw lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo revistas digitais, webinars, whitepapers e muito mais.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar