Fenalaw faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

“Nenhuma das instituições públicas é Deus” Eduardo Oinegue.jpg

“Nenhuma das instituições públicas é Deus” Eduardo Oinegue

Segundo o jornalista da BandNews, o conceito de legal e ilegal tornou-se dinâmico e não tem funcionado com clareza no país

“Como falar em harmonia em um país em que o Judiciário tem mais poderes que o Executivo e o Legislativo?”, dispara o jornalista Eduardo Oinegue, apresentador do Jornal da Band, da Rádio BandNews FM e comentarista no BandNews. “Esse é o Brasil. São várias decisões que são de políticas públicas que não têm relação com o Poder Judiciário. Os eleitos estabeleceram um pacto com a sociedade com base em promessas, mesmo que tortas”. Ele proferiu a palestra de abertura do segundo dia da Fenalaw 4.0 Xperience - Transformando o Setor Jurídico através do Digital, maior plataforma de conteúdo e de negócios do setor da América Latina, que acontece até amanhã (15) em formato 100% digital. 

Oinegue recorda da época das monarquias absolutistas européias, quando tudo era decidido pela vontade do Rei. Hoje, salienta, excluindo algumas exceções, nenhum país sério entrega os destinos para uma só pessoa. A sociedade delega às instituições, o Executivo, o Legislativo e Judiciário, esse poder. Nenhuma das instituições públicas é Deus e tem que prestar contas para a sociedade. “O Brasil organizou uma proeza de fazer com que isso não funcione bem e ainda não alcançou o que chamamos de previsibilidade. O conceito de legal e ilegal tornou-se dinâmico e não tem funcionado com clareza”, opina.

O jornalista é crítico em relação à forma como o Judiciário tem tratado o equilíbrio dos poderes: “Quando o juiz avança sobre uma decisão do Legislativo e Executivo é a supremacia suplantando a prerrogativa.  E mais: Em que país do mundo um ministro do STF solta um gângster pesado, traficante de drogas internacional, um cidadão que ficou cinco anos foragido? Imagine que, em menos de 24 horas, outro ministro, presidente da Corte, caça a decisão. Qual o nome disso? Insegurança jurídica”. 

Tudo isso tem um preço, reforça o jornalista. “Temos um sistema em que um ladrão de galinha não consegue habeas corpus e um traficante de drogas consegue. O STF tornou-se o epicentro dos exageros e distorções do Judiciário. É um martírio hoje assistir uma sessão do supremo e as transmissões ao vivo pioraram transformando tudo em um grande reality show”, conclui. 

Para participar -- As inscrições online e gratuitas para a  Fenalaw 4.0 Xperience estão abertas diretamente na plataforma: fenalawxperience.com.br

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro de Fenalaw lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo revistas digitais, webinars, whitepapers e muito mais.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar