Fenalaw faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Limites do marketing para escritórios de advocacia.jpg

Limites do marketing para escritórios de advocacia

O resultado de um marketing para escritórios de advocacia bem-feito é a construção de uma marca jurídica forte.

Divulgar serviços advocatícios pode ser um desafio para muitos profissionais. Afinal, o Código de Ética e Disciplina da OAB pode parecer um grande freio. No entanto, apesar dos limites do marketing para escritórios de advocacia, há ótimas práticas que os advogados podem adotar. Veja, a seguir, os limites e as melhores ideias para ter bons resultados com o marketing jurídico!

Quais os limites do marketing para escritórios de advocacia?

Muitos advogados temem realizar um bom marketing para escritórios de advocacia diante das limitações do Código de Ética da OAB. No entanto, Maiara Trombini, especialista em marketing jurídico, pontua que é possível alinhar estratégias corretas, de acordo com o código, para aproveitar os benefícios da publicidade jurídica

Para ela, “o uso das redes sociais e ferramentas apropriadas para a construção de uma boa comunicação no mercado, auxilia o profissional da área jurídica a construir uma imagem coerente no que deseja transmitir e, consequentemente, influencia na obtenção de novos resultados e oportunidades para o escritório”.

Mas quais são os limites que devem ser respeitados? De acordo com o Código, não é possível:

  • Fazer publicidade em locais de utilização pública, em paredes de edifícios, em eventos estranhos à área jurídica, ou ao lado de ofertas e objetos estranhos à advocacia;
  • Realizar publicidade em rádio ou televisão, exceto se a aparição for meramente educativa, sem propósito de promoção profissional ou pessoal. 
  • Pronunciar-se sobre seus colegas de profissão ou instituições de forma desrespeitosa;
  • Abordar temas comprometedores à dignidade da profissão ou das instituições;
  • Divulgar publicamente valor dos serviços, gratuidade e forma de pagamento;
  • Usar dizeres imperativos do comércio (“consulte-nos hoje mesmo!”);
  • Utilizar cores extravagantes na placa do escritório de advocacia;
  • Divulgar serviços de advogado em conjunto com outra atividade;
  • Fazer publicidade vinculada a possíveis resultados de causas;
  • Anunciar em catálogos empresariais ou profissionais;
  • Promover-se em manifestação pública;
  • Ofertar consultas gratuitas no site;
  • Utilizar fotos dos órgãos públicos;
  • Elaborar contratos impessoais;
  • Utilizar nomes de fantasia.

Como fazer corretamente o marketing jurídico?

Participar de eventos e canais jurídicos, realizar o marketing digital, focar em inbound marketing, conhecer seu cliente. Essas são boas práticas para fazer corretamente o marketing jurídico. Mas 3 delas merecem destaque.

Obedecer às regras da OAB

O primeiro passo para realizar um bom marketing para escritórios de advocacia é obedecer às regras da OAB. 

De acordo com o artigo 28 do Código de Ética e Disciplina da OAB, “O advogado pode anunciar os seus serviços profissionais, individual ou coletivamente, com discrição e moderação, para finalidade exclusivamente informativa, vedada a divulgação em conjunto com outra atividade”. 

Já o Provimento 94/2000 diz que “É permitida a publicidade informativa do advogado e da sociedade de advogados, contanto que se limite a levar ao conhecimento do público em geral, ou da clientela, em particular, dados objetivos e verdadeiros a respeito dos serviços de advocacia que se propõe a prestar, observadas as normas do Código de Ética e Disciplina e as deste Provimento”.

Focar sempre no caráter informativo 

O cerne do marketing para escritórios de advocacia, conforme a OAB, é “levar ao conhecimento do público dados objetivos e verdadeiros a respeito dos serviços de advocacia”. Em outras palavras, tem caráter informativo para preservar a dignidade da profissão e a credibilidade do serviço.

A especialista em marketing jurídico dá a dica: “Focar na produção intelectual é a melhor alternativa para ampliar a visibilidade da marca jurídica e tornar o advogado referência no mercado. Sempre é importante lembrar que não se deve utilizar frases mercantilistas nas publicações em formato de call to action, e sim direcionar o leitor para um artigo ou notícia”.

Para tanto, Trombini fala para evitar frases como “Contate-nos pelo WhatsApp para saber mais...” e “Somos o melhor escritório de Direito Trabalhista do Brasil.”.

Ter cuidado com anúncios nas redes sociais

Os anúncios em redes sociais são comuns em diversos negócios, pois ampliam o alcance da postagem para o público-alvo. No entanto, quando se trata de marketing para escritórios de advocacia, é preciso ter muito cuidado. Há estados em que a publicidade paga na advocacia por meio de anúncios não é permitida. 

Por isso, antes de patrocinar um post, consulte o Tribunal de Ética e Disciplina (TED) do seu estado.

O resultado de um marketing para escritórios de advocacia bem-feito é a construção de uma marca jurídica forte. Além disso, é uma forma de fomentar o networking e prospectar clientes. 

Que tal aprender mais sobre o inbound marketing na advocacia?

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro de Fenalaw lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo revistas digitais, webinars, whitepapers e muito mais.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar