Fenalaw faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Garanta validade jurídica dos contratos digitais com esses passos.jpg

Garanta validade jurídica dos contratos digitais com esses passos

Os contratos digitais estão cada vez mais em alta. Muito se discute sobre a validade jurídica dos contratos digitais, e não é pra menos. Existem diversos tipos de assinatura digital, com e sem certificação, e alguns podem ser questionados. Saiba como garantir sua validade jurídica!

Os contratos digitais estão presentes no dia a dia. Uma mera compra na internet já estabelece a relação de consumo naquele ambiente. Mas esses contratos são válidos? Muito se discute sobre a validade jurídica dos contratos digitais, e não é pra menos. Existem diversos tipos de assinatura digital, com e sem certificação, e alguns podem ser questionados.

Contratos digitais na atualidade

A transformação digital conectou o mundo todo com o advento da internet. Mídias sociais, plataformas de colaboração, são inúmeras as possibilidades de conexões e relações. Em uma rede social, é preciso aceitar o termo de uso. No e-commerce, compra-se um produto aceitando as condições dispostas na plataforma. Nossas relações também se fazem no ambiente virtual, jogando mais luz aos contratos digitais.

Como consequência, as relações jurídicas também precisam migrar para a velocidade do mundo virtual. Marcelo Campelo, advogado especialista em direito empresarial, destaca até mesmo a potencial extinção do contrato com reconhecimento de firma feito em cartório.

Para ele, “em negócios essencialmente digitais como, e-commerces, sites, a realidade da aceitação do contrato digital já existe e, a garantia da validade se faz por meio da indicação de quem aceita, do preenchimento dos dados e validação através de outros meios, como e-mail e mensagens enviadas ao celular do aceitante”.

Já existe, inclusive, plataformas que permitem a assinatura do contrato por meio digital, com as garantias oferecidas pelo sistema. Neste caso, bastam o CPF, IP do computador e um código de validação.

Mas como fica a validade jurídica dos contratos digitais em outras situações?

Validade jurídica dos contratos digitais

O contrato digital é um documento eletrônico que pode ser assinado a partir de um computador ou dispositivo móvel. Para entender sua validade jurídica, devemos recorrer, inicialmente, às características básicas de todo contrato.

Bruno Faigle, advogado sênior do escritório Lima & Vilani Advogados, pontua que “os contratos digitais têm plena validade jurídica, desde respeitem as características de todo contrato, quais sejam: agente capaz, objeto lícito, possível, determinado ou indeterminável (art. 104, CC)”.

Em seguida, destaca que é preciso dar validade à formalização do contrato eletrônico. Em outras palavras, é preciso considerar a Medida Provisória nº 2200-2/22001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil.

A ICP-Brasil garante autenticidade, integridade e validade jurídica de documentos em forma eletrônica. Conforme o artigo 10, §1º, da MP, “as declarações constantes dos documentos em forma eletrônica produzidos com a utilização de processo de certificação disponibilizado pela ICP-Brasil presumem-se verdadeiros em relação aos signatários”.

Desse requisito, faz-se necessário destacar a diferença entre assinatura eletrônica e digital.

Assinatura eletrônica x assinatura digital

Faigle destaca que a assinatura eletrônica não é assinatura digital: “saliento que a última se trata de um tipo de assinatura eletrônica, a qual utiliza recursos de criptografia associando o documento ao usuário. Ainda, a assinatura digital necessita de um certificado digital emitido por autoridade associada à ICP-Brasil”.

A assinatura eletrônica é capaz de gerar validade ao negócio jurídico eletrônico, ainda que não possua o rigor legal da assinatura digital. Afinal, outras plataformas de assinatura eletrônica podem utilizar mecanismos diferentes de autenticação, tais como, informações pessoais do usuário, registro do endereço de IP, vinculação ao e-mail do signatário e outros.

Ademais, a situação é reconhecida no artigo 10, §2º da MP: “O disposto nesta Medida Provisória não obsta a utilização de outro meio de comprovação da autoria e integridade de documentos em forma eletrônica, inclusive os que utilizem certificados não emitidos pela ICP-Brasil, desde que admitido pelas partes como válido ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento”.

Em resumo, contratos firmados de forma eletrônica por assinatura eletrônica ou assinatura digital geram eficácia plena aos contratos firmados de forma virtual.

O uso de contratos digitais por empresas vem crescendo bastante, não só no e-commerce, como também nas relações de trabalho. Com o uso da tecnologia adequada, é possível garantir a autenticidade, a integridade e validade jurídica dos contratos digitais. Assim, garante-se, também agilidade, eficiência, redução de custos e mobilidade para as relações firmadas.

 

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro de Fenalaw lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo revistas digitais, webinars, whitepapers e muito mais.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar